Começa o show de surf no Oi Hang Loose Pro Contest em Noronha

|By João Carvalho

| Foto: Daniel Smorigo

O Oi Hang Loose Pro Contest abriu o primeiro QS 6000 da temporada na terça-feira, com a Cacimba do Padre já bombando altas ondas no primeiro dia de Sol e muito calor em Fernando de Noronha. O paraibano Samuel Igo comandou o show, surfando o primeiro tubaço nota 10 neste retorno do evento mais tradicional do surfe brasileiro para a ilha após 7 anos. Ele já havia brilhado em outro tubo que valeu nota 9 para totalizar 19 pontos de 20 possíveis no quarto confronto do dia. O bicampeão mundial Gabriel Medina estreia nesta quarta-feira e as baterias podem começar mais cedo, com a primeira chamada marcada para as 7h00 no arquipélago pernambucano, onde o fuso horário é de 1h00 a mais do restante do Brasil.

“Que momento especial que nem consigo acreditar, só agradecer a Deus mesmo pelo privilégio de voltar a essa ilha”, vibrou Samuel Igo, que há muitos anos mora no Rio de Janeiro. “Eu tenho uma conexão muito boa com esse lugar, muita gratidão e estou feliz demais em conseguir fazer esses dois high-scores (notas altas), feliz por estar conectado na onda. A prancha boa ajudou bastante também, mas o campeonato está só começando”.

O paraibano falou mais sobre o tubo que arrancou a primeira nota 10 unânime dos cinco juízes no Oi Hang Loose Pro Contest: “Eu estava muito atrás da onda e, quando remei nela, nem acreditei que seria tão boa, porque vi que ela ia secar muito lá na frente e eu estava muito atrás. Só que eu já tinha remado, então fui com tudo e quando dropei, a prancha projetou muito pra frente, mas vi que dava tempo de sair. As placas foram caindo e fiquei focado olhando no finalzinho do tubo, falando pra mim mesmo que ia dar certo, que ia dar certo e consegui sair amarradão. Foi demais e esse lugar é realmente incrível”.

Nessa mesma bateria em que Samuel Igo conseguiu a primeira nota máxima, a força das ondas da Cacimba do Padre também partiu a primeira prancha ao meio. Era do norte-americano Eithan Osborne, que mesmo assim se classificou em segundo lugar para a próxima fase, superando o havaiano Cole Alves e o brasileiro Daniel Ostrowski. Eithan ganhou a primeira etapa da temporada em Israel, mas já perdeu a liderança no ranking do WSL Qualifying Series para o australiano Jack Robinson, campeão do outro evento com o mesmo status QS 3000 em Pipeline, semanas atrás no Havaí.

DESTAQUE GRINGO – Entre os surfistas estrangeiros, o primeiro a se destacar no Oi Hang Loose Pro Contest foi o português Miguel Blanco. Duas baterias após os recordes de Samuel Igo, ele também completou um tubo quase perfeito que valeu a segunda maior nota da terça-feira, 9,07. Com ela, venceu fácil aos três brasileiros que enfrentou em sua estreia no QS 6000 de Fernando de Noronha, Lysandro Leandro, Wesley Leite e Luan Hanada.

“O mar está bem difícil agora com a maré muito seca, mas ainda existem alguns tubos perdidos”, disse Miguel Blanco. “Eu tentei ficar ativo dentro d´água e foi uma boa bateria pra mim. Peguei uma direitinha no início, depois uma esquerda melhor no final que rodou aquele tubão e estou muito contente, pois foi uma boa maneira de começar o ano. Eu vim aqui pra Noronha uns cinco anos atrás numa surf trip e peguei um mar de gala aqui, então quando vi que o evento estava confirmado no calendário, não pensei duas vezes e estou feliz por ter começado bem o campeonato”.

ESTREIA DE MEDINA – Nesta primeira rodada de 24 baterias, competem os surfistas que não estão bem ranqueados na World Surf League e as principais estrelas formam a lista dos 48 cabeças de chave que só entram na segunda fase. Os dois confrontos que abriram a terça-feira, definiram os primeiros adversários da maior atração desta edição do Oi Hang Loose Pro Contest, o bicampeão mundial Gabriel Medina.

Ele vai estrear na primeira bateria da segunda fase nesta quarta-feira, junto com um dos surfistas de Fernando de Noronha convidados pela Hang Loose, Patrick Tamberg. O primeiro a se classificar foi o costa-ricense Tomas King, que venceu a bateria estrangeira com o havaiano Benji Brand e o francês Adrien Toyon. Ela marcou oficialmente o retorno do evento que foi disputado por treze anos consecutivos na Cacimba do Padre, de 2000 a 2012.

“Um amigo já tinha me falado que eu iria para a bateria do Medina se ganhasse, então eu já sabia e fico feliz por isso”, disse Tomas King. “Vai ser legal enfrentar o campeão mundial e eu vou tentar fazer o meu melhor. Eu quero me classificar para o CT e os pontos aqui são importantes para isso. Não entraram muitas ondas na bateria, mas consegui surfar algumas e espero que na próxima tenha mais tubos. Estou ansioso já para amanhã (quarta-feira)”.

A outra vaga para completar a bateria de Gabriel Medina com Patrick Tamberg e Tomas King, foi definida no primeiro confronto 100% brasileiro do Oi Hang Loose Pro Contest. O carioca Pedro Neves pegou boas ondas para escapar de encarar o bicampeão mundial com a vitória. Os outros três surfistas ficaram brigando pelo segundo lugar e o jovem potiguar Mateus Sena, 16 anos apenas, levou a melhor sobre o paulista Vitor Mendes e o baiano Franklin Serpa.

“Está bem complicado o mar, a bateria teve poucas oportunidades de tubos, eu só tive uma, mas fui com a estratégia de somar pontos no início para me classificar e estou feliz que deu tudo certo”, disse Mateus Sena, que falou sobre competir com Medina. “Para ser bem sincero, eu vou realizar um sonho. Acho que para a maioria dos competidores aqui, é um sonho competir com o Gabriel (Medina). Eu já estou louco pra entrar na água e soltar o meu surfe para tentar até ganhar dele, nunca se sabe. Mas, é uma bateria que eu quero passar”.

JEAN DA SILVA – Na terça-feira, enquanto as baterias rolavam no mar, foi realizada uma homenagem para o surfista catarinense Jean da Silva, que faleceu dois anos atrás. Ele já foi campeão nos tubos da Cacimba do Padre em 2006 e vice-campeão na última final disputada em Fernando de Noronha em 2012, vencida pelo paulista Miguel Pupo. O diretor da Hang Loose, Alfio Lagnado, se juntou ao grupo de pessoas na praia que levantava uma prancha que ele deixou na ilha, contendo a inscrição: “Jean da Silva Forever”.

A Oi, que está estreando o patrocínio naming rights no Hang Loose Pro Contest este ano, também participa da homenagem oferecendo um troféu “Jean da Silva” para o surfista que fizer a melhor apresentação em todo o evento, que prossegue até domingo em Fernando de Noronha. Por enquanto, quem está com as mãos nesta taça é o recordista absoluto do campeonato no primeiro dia, Samuel Igo, com nota 10 e 19,00 pontos de 20 possíveis.

O Oi Hang Loose Pro Contest é uma realização da World Surf League (WSL) com patrocínio naming rights da Oi, através da Lei de Incentivo ao Esporte, do Governo do Estado de Pernambuco e copatrocínio da 51 Ice. A etapa do QS 6000 oferece uma premiação total de 130.000 dólares, a vitória vale 20.000 dólares e toda a competição está sendo transmitida ao vivo pelo www.worldsurfleague.com

 

BATERIAS DO OI HANG LOOSE PRO CONTEST QS 6000:

PRIMEIRA FASE – 3.o=97.o lugar com 120 pontos e 4.o=121.o lugar com 75 pts:

1.a: 1-Tomas King (CRI), 2-Benji Brand (HAV), 3-Adrien Toyon (FRA)

2.a: 1-Pedro Neves (BRA), 2-Mateus Sena (BRA), 3-Vitor Mendes (BRA), 4-Franklin Serpa (BRA)

3.a: 1-Nolan Rapoza (EUA), 2-Fernando Junior (BRA), 3-Junior Lagosta (BRA), 4-Facundo Arreyes (ARG)

4.a: 1-Samuel Igo (BRA), 2-Eithan Osborne (EUA), 3-Cole Alves (HAV), 4-Daniel Ostrowski (BRA)

5.a: 1-Eduardo Motta (BRA), 2-Nicolas Vargas (CHL), 3-Jordan Lawler (AUS)

6.a: 1-Miguel Blanco (PRT), 2-Lysandro Leandro (BRA), 3-Wesley Leite (BRA), 4-Luan Hanada (BRA)

7.a: 2-Harley Ross (AUS), 2-Madson Costa (BRA), 3-Alex Lima (BRA), 4-Luan Carvalho (BRA)

8.a: 1-Tomas Tudela (PER), 2-Vitor Ferreira (BRA), w.o-Te Kehukehu Butler (NZL)

9.a: 1-Marc Lacomare (FRA), 2-Gabriel Farias (BRA), 3-Alan Donato (BRA), 4-Pedro Scooby (BRA)

10: 1-Hizunomê Bettero (BRA), 2-Marcos Correa (BRA), 3-Renan Hanada (BRA), 4-Pedro Dib (BRA)

11: 1-Renan Peres (BRA), 2-Charly Quivront (FRA), 3-Matheus Navarro (BRA), 4-João Jucoski (BRA)

12: 1-Luis Perloiro (PRT), 2-Tristan Guilbaud (FRA), 3-Buday Santos (BRA), 4-Adrian Garcia (PER)

13: 1-Bernardo Pigmeu (BRA), 2-Luke Dillon (ING), 3-John Mel (EUA), 4-Cuca Souza (BRA)

14: 1-Heitor Alves (BRA), 2-Wesley Santos (BRA), 3-Ryan Kainalo (BRA), 4-Daniel Adisaka (BRA)

15: 1-Douglas Silva (BRA), 2-Ian Gentil (HAV), 3-Mason Ho (HAV), 4-Paulo Moura (BRA)

16: 1-Robson Santos (BRA), 2-Thiago Guimarães (BRA), 3-Ruben Vitoria (ESP), 4-José Miranda Barbosa (BRA)

17: 1-Joshua Burke (BRB), 2-Theo Fresia (BRA), 3-Netinho Silva (BRA), 4-Kim Matheus (BRA)

18: Jordy Collins (EUA), Yuri Gonçalves (BRA), Gustavo Bertotto (BRA), Brayner Silva (BRA)

———-baterias que vão abrir a quarta-feira às 7h00:

19: Marco Giorgi (URU), João Chianca (BRA), Jhonny Guerrero (PER), Nacho Sebastia (CNY)

20: Rafael Teixeira (BRA), Shelson Paishon (HAV), Lucas Vicente (BRA)

21: Joh Azuchi (JPN), Daiki Tanaka (JPN), Daniel Templar (BRA), Dunga Neto (BRA)

22: Luel Felipe (BRA), José Gundesen (ARG), Tamae Bettero (BRA), Marcelo Trekinho (BRA)

23: Tyler Gunter (EUA), Paul Cesar Distinguin (FRA), Gabriel Adisaka (BRA), André Gonçalves (BRA)

24: Michael Dunphy (EUA), Jhonny Corzo (MEX), Kaiki Yamanaka (JPN)

SEGUNDA FASE – entrada dos 48 cabeças de chave – 1.o e 2.o avançam:

——-3.o=49.o lugar (US$ 550 e 400 pts) e 4.o=73.o lugar (US$ 450 e 370 pts)

1.a: Gabriel Medina (BRA), Patrick Tamberg (BRA), Tomas King (CRI), Mateus Sena (BRA)

2.a: Alonso Correa (PER), Nat Young (EUA), Benji Brand (HAV), Pedro Neves (BRA)

3.a: Mateus Herdy (BRA), Imaikalani Devault (HAV), Nolan Rapoza (EUA), Eithan Osborne (EUA)

4.a: Reef Heazlewood (AUS), Ian Gouveia (BRA), Fernando Junior (BRA), Samuel Igo (BRA)

5.a: Jessé Mendes (BRA), Tomas Hermes (BRA), Eduardo Motta (BRA), Lysandro Leandro (BRA)

6.a: Carlos Munoz (CRI), Kiron Jabour (HAV), Nicolas Vargas (CHL), Miguel Blanco (PRT)

7.a: Jack Robinson (AUS), Lucca Mesinas (PER), Madson Costa (BRA), Vitor Ferreira (BRA)

8.a: Jadson André (BRA), Flavio Nakagima (BRA), Harley Ross (AUS), Tomas Tudela (PER)

9.a: Jorgann Couzinet (FRA), Jeronimo Vargas (BRA), Marc Lacomare (FRA), Marcos Correa (BRA)

10: Miguel Pupo (BRA), Ramzi Boukhiam (MAR), Gabriel Farias (BRA), Hizunomê Bettero (BRA)

11: Maxime Huscenot (FRA), Cam Richards (EUA), Renan Peres (BRA), Tristan Guilbaud (FRA)

12: Adin Masencamp (AFR), Wiggolly Dantas (BRA), Charly Quivront (FRA), Luis Perloiro (PRT)

13: Yago Dora (BRA), Samuel Pupo (BRA), Bernardo Pigmeu (BRA), Wesley Santos (BRA)

14: Alex Ribeiro (BRA), Joshua Moniz (HAV), Luke Dillon (ING), Heitor Alves (BRA)

15: Alejo Muniz (BRA), Krystian Kymerson (BRA), Douglas Silva (BRA), Thiago Guimarães (BRA)

16: Frederico Morais (PRT), Noe Mar McGonagle (CRI), Ian Gentil (HAV), Robson Santos (BRA)

17: Deivid Silva (BRA), Ian Crane (EUA),

18: Bino Lopes (BRA), Hiroto Ohhara (JPN),

19: Jake Marshall (EUA), Reo Inaba (JPN),

20: Peterson Crisanto (BRA), Victor Bernardo (BRA),

21: Evan Geiselman (EUA), Miguel Tudela (PER),

22: Vasco Ribeiro (PRT), Aritz Aranburu (ESP),

23: Thiago Camarão (BRA), Charles Martin (FRA),

24: Italo Ferreira (BRA), Caia Souza (BRA),

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *