HOME | PREVISÃO | ALERTA REDES | FOTOS | VÍDEOS | BOLETINS | CAMS AO VIVO | RESSACÃO | NOTÍCIAS | CONTATO

GABRIEL O PORTUGUES APARECE
Voltar  Home  Imprimir esta página   27/10/2017


E aconteceu o imprevisto do previsto e João João, mais uma vez viu seu sonho de vencer uma etapa frustrado e também de repetir um bi-campeonato mundial na mesma praia que o consagrou na temporada passada. Já para o tupiniquim braso Gabriel Medina, a força de seu sagrado trabalho e técnica apurada fizeram dele um contender dos mais expressivos nessa temporada de perna Europa. Venceu na França, venceu em The Ranch e agora vence na terra dos patrícios e declara que se sente em casa em Portugal. Primeiro pela língua, depois pelas boas ondas e finalmente pela grande torcida. Esta 9ª edição do Meo Rip Curl Pro foi alucinante em Peniche.

A praia de Supertubos iniciou meio tímida e depois arrastou fãs e tops para sets casca grossas e finalizou numa marolagem só escrita e reescrita por voadores. Algumas médias muito baixas foram contabilizadas com o mar acima de dois metros e meio, onde pranchas quebraram e interferências foram apontadas. Saiba que top mundial, também não consegue varar o outside quando o bicho pega. Tranquilize-se não é só com você que acontece isso. Mas voltando aos contenders do evento, primeiro caiu o menino sul-áfrica Jordy Smith e a coisa começou a embolar, na sequência cai o líder João João e ai com Medina nas semi a coisa degringola mesmo.

Os caras tem mais que assistir para ver no que dá. Um parêntese aqui para o braso, Miguel Pupo, que varou os sets e mostrou seu surf do pé. Iniciou bem, no primeiro round botou pra dançar o algoz de João João e foi direto para o terceiro round onde engatou uma brava luta com o conterrâneo De Souza, venceu com 0.30 décimos de vantagem. No quarto set meteu interferência e mesmo assim não desistiu, escalou o quinto round e chegou até as quartas, onde o ianque Igarashi o venceu. Enquanto isso Gabriel, desferia porradas, avoava, rasgava e sentava o pé desde o round dois para chegar vivo a final sem perder uma. E deu no que deu. Viram, conferiram e constataram o cara se reinventa e como bom aluno do Senhor dos Titulos em competição, o intuito dele é ganhar e ganhar.

Venceu a bagaça por 13.26 virando o game na última onda após Juliano Wilsons ficar líder, e vingou uma derrota no mesmo pico em 2012 para o aussie que não convenceu na época. Agora Hawaii, se Deus quiser Gabriel vai para o vamos ver com uma trinca de primeiros, ávidos pela taça de Pipe, pela taça do mundo e pela grana, além da Midia. Avante Brasil! Texto por Castro Pereira fotos WSL


  

Voltar       Home        

Copyright by Xandão e Pitol.net
Websul Ondas do Sul