O surfista Cristiano Bins, cidadão do mundo parece que ancorou pelas terras de nossos patrícios portugueses, assim como uma grande legião de artistas, surfistas, dentistas e não identificados tem seguido sem medo de serem felizes. Mas aqui a grande sacada do Grão, codinome do audax surfer, foi pelas ondas e a costa litorânea do pais. Uma gold coast ainda em difusão e em desbravamento e digo mais, não faltando grandes bandeirantes por aquelas águas. Alguns insanos procuradores das grandes massas oceânicas, estão e andam por aqueles pedaços de chão e de mar. Alguns sobreviventes de cabulosos caldos como Maya Gabeira, o hawaiiano Garret Macnamara, Rodrigo Coxa, Lucas Chianca e alguns célebres mais. Mas devagar e com muito soul e certas doses de ansiedade, o professor Cris, tem dropado algumas boas e aturáveis bombas. Para saber bem; até de Uber o cidadão já se deslocou, para surfar na hora, no momento certo e no pico certo. Atualmente ele reside perto da praia, no Porto com sua girlfriend. “Fica bem ao norte onde existem várias ondas de bom potencial, num raio de 20 a 30 km deve ter mais de 50 picos, entre molhes, fundos de pedra, beach breaks e alguns slabs,” comenta a fera. O surfer dá aulas de surf em uma escola local de Matosinhos, e se vira como bom filmaker que é editando e produzindo vídeos para a galera. Circula bastante de bike, amarradão pelo sentimento de segurança e civilidade e de residir num pais de primeiro mundo. Não teve problema com a crew que o adotou, foi bem recebido e foi levado a conhecer picos secrets, andou por Supertubos point que adora, Ericeira e seus picos e ainda de quebra venceu um evento, o Wave Series logo que chegou em terras lusitanas. Na famosa Nazaré deu um banho, mas estava pequeno e ele pretende voltar e pegar clean, claro que para essa empreitada o mininu está a providenciar uma gun 10’ pés, se é que vocês entendem a capacidade do gajo em se jogar. Com certeza e com a kilometragem oceânica deste professor, ele ainda vai ilustrar muita história, para alegria dos gajos de cá e espanto dos gajos de lá. Texto By Castro Pereira Fotos: Pedro Pimenta/Edu Melo e Paulo Poli.

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *