NEWCASTLE RECAP – OZ

 A cidade de Mark Richards ficou para trás e o tour do Surf Mundial, já se encontra em outro pico internacional na OZ para sua sede. Trata-se de Narrabeen, onda lendária de boas esquerdas em Sydney. Mas voltando ao fim de semana passado de 09 e 10 quando foi finalizado em Merewether beach, a segunda etapa do tour da WSL, o que se avistou foi uma incrível superioridade em performances dos atletas brasileiros. A bagaça iniciou com a galera animada e nervosa dentro do marolejo aussie. Notas, ondas, baterias e mais baterias e os olhos firmes nos índios tupiniquin que voavam, rasgavam e decidiam os heats. Além desses caras; Caio, Miguel, Jadson, Peterson, Deivid, Alex, Yago, Adriano, Italo, Toledo e Gabriel sómente o local, Morgan Cibilic, deu alegria a torcida na praia. Muleke Cibilic, abusado no surf derrubou ao veterano campeão hawaiiano, João João nas oitavas.

Alguns bravos conterrâneos também caíram, como; Ibelli, Pupo, Crisante, Jadson, Alex. As oitavas foram tiroteio puro, tanto entre os tops como entre brasucas, que mostraram surf impecável e destruidor de junções e boas paredes.  

Nas quartas de finais a única bateria que um realmente ganhou do outro foi do Filipe x Conner Coffin, de resto, podia ter ido pra qualquer um, sorte do Gabriel, Morgan Cibilic e Italo, triste pra Mineirinho, Callinan e DVD. Nas quartas Minero poderia passar, mas os judges não deram a nota necessária e por décimos, Gabriel passou. A galera rosnou!

Já nas semi-finais Gabriel voou longe e muito alto, disparado melhor aéreo do campeonato que lhe rendeu um 9,70 e deixou o único aussie fora do evento. Filipe x Ítalo foi um show de rasgadas, mas o que fez diferença foi o aéreo do Ítalo, Toledo não voou e perdeu de ir prá final. E essa já é a terceira vez de Gabriel x Ítalo e agora quem tá ganhando nas decisões é o Italo, 2×1. Gabriel teve a melhor onda da bateria com 8.60 o backside surreal, mas o que decidiu novamente foi os aéreos. Gabriel tentou, mas não conseguiu finalizar nenhum, já Ítalo fez duas ondas mais regulares, sendo uma delas um aéreo 7.77 e levou a final, sendo também o mais novo camisa amarela.

Os OBSERVADORES comentaram: elite é surf limpo. Será que tá na hora de começar a achatar essas notas mesmo, surf é borda e não acrobacia”. Aquele 7,77 da final não valeu !!! Porra o cara acelerar matando um caminhão de barata pra mandar um aéreo no fim sem muita projeção e sair quase um high score?

Na final, Ítalo combinou uma série de carves e batidas de backside e acrescentou um aéreo reverse conquistando 7.17 pontos (em 10 possíveis) que o colocou na liderança. A sua manobra de assinatura, um aéreo de backside de rotação completa, também lhe rendeu 7,77 pontos para a liderança que manteve durante a maior parte do heat.

Por sua vez Medina conquistou 8.60 pontos por três manobras consecutivas de backside, uma delas quase vertical, mas não foi o suficiente para superar a energia de Italo.

Ítalo Ferreira teve uma excelente performance durante a etapa. O atleta treinou bastante nas ondas de Merewether antes do início do evento e com esta vitória mostra estar focado em conquistar o seu segundo título mundial consecutivo em 2021.

Texto by Castro Pereira Fotos WSL/Dunbar/P.Danovaro

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *