SINISTROS DO NARRABEN CLASSIC

O atleta mais sinistro do Brasil no surf Gabriel Pinto, venceu em Sidney, no Rip Narrabeen Classic. Embora observadores digam que o mais, mais sinistro mesmo é o energético, Italo Ferreira, com outros esquecendo que o catarina, Yago filho do Dora, pode se enquadrar nessa categoria, porque quando o cara se embesta, altura não é nada e rampas e decolagens com potentes entradas nas conexões são piada. E o filho do Toledo, que apesar de seu surf campeão e de avoadas sinistras também, ainda não desencantou, porem existe um clã de boludos sinistros como DVD, Alex, Jadson, Miguel, Crisanto e numa classe de mais respeito, os performers não menos sinistros, Caio Ibelli e Adriano De Souza, este último um sinistro arrasa-quarteirão. Quando acham que ele vai achatar a conexão que fecha, o sujeito voa por cima, mostrando que aposentadoria não é sinal de acomodação. Neguinho é sinistro e conhece os caminhos e descaminhos desse game da famigerada WSL. Foi ele, De Souza que ralou e abriu os caminhos para essa galera, graças a Deus, se é que voce me entende. Sim, sabemos que outros vieram antes, claro!

Bem, aqui não vou desembestar em usar grandes expressões, ou me ater a comentar os feitos performáticos da esquadra brasuca nesta temporada. Cada evento com a peculiaridade de suas ondas, mostram a qual nível os tops profissionais chegaram. A maioria esmagadora sabendo usar as bordas e fluidez, sendo que os maestros tupiniquins, andam se especializando no surf aéreo e de espetacular controle. Resultado final: juízes ainda arrombando a festa com suas interpretações individuais e polemicas, público ovacionando os brasos a cada avoada e alguns veteranos do tour, não achando graça nenhuma. Neguinho decidir bateria com uma onda no final e uma avoada, porque rodou tipo hélice de helicóptero no ar e não fez mais nada, e ainda ganhar quase um dez. Qéisso Wilsonss! Finalizando aqui a resenha, Medina venceu na final ao califórnia, Conner Coffin e fechou a fatura com duas notas acima de 9.0 é mole. Agora o palco é Margaret River, água gelada, tubarões e tubos. Que Deus abençoe a todos.

Texto by Castro Pereira FotosWSL/Dunbar/Miers/PaulDanovaro

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *